Sotaque Brasileiro

Zebeto Corrêa

Compositor: Cláudio Chaves / Zebeto Corrêa

Quero, nas ruas deste Porto Alegre
Ouvir das gurias o encanto que jaz e faz, minha dúvida
Capaz que eu não volte pra cá, ou que não me apaixone na trilha
Feito o açoriano que se apaixonou por sua ilha

Como fosse filha, como fosse única, mudei direções
Quem sabe pra riba, talvez Curitiba, talvez Paraná
Quem sabe as lavouras, as louras, ou mais, nos cafezais
Beber leite quente, beber aguardente, beijar a nissei

Sotaque brasileiro, flor de igarapé
Vitória que é régia e é de onde descendem
O Açaí, pequi, cacau, butiá, tupo, arawetê
Na miscigenação a gente se entende

Mas era fronteira, Sampa, Mantiqueira, vale do Ribeira
Lençóis, laranjais, ribeirões, gente que não acaba mais
E eu tão perto dos morros e dos litorais que o meu Redentor
Abençoa com o olhar, e o povo de lá vai na boa, na paz

E eu colhendo neste chão sotaques diversos, de tantos Brasis
Que mesclam minha terra
E quem sabe por isso se chama Gerais
Que é rica em minas, em cantos e encantos
É um trem? Bão dimais?
E é parte da soma deste idioma que eu chamo país

Sotaque brasileiro, flor de igarapé
Vitória que é régia e é de onde descendem
O Açaí, pequi, cacau, butiá, tupo, arawetê,
Na miscigenação a gente se entende

Salva-me Salvador que eu não vou parar de cantar
Meu boi do Maranhão que nunca morreu lá no Piauí
Bato no teu tambor oh minha flor do Amapá
Manda um recado aí pro meu parente de Parintins

Sotaque brasileiro, flor de igarapé
Vitória que é régia e é de onde descendem
O Açaí, pequi, cacau, butiá, tupo, arawetê
Na miscigenação a gente se entende

©2003- 2018 lyrics.com.br · Aviso Legal · Política de Privacidade · Fale Conosco desenvolvido por Studio Sol Comunicação Digital